ABC vence América-RN nos acréscimos e lidera Grupo 3 da Série D

Fim de semana perfeito para o ABC. O Mais Querido manteve 100% de aproveitamento na Série D do Campeonato Brasileiro, com nove pontos, confirmou a liderança do Grupo 3 e, de quebra, venceu o Clássico-Rei contra o América-RN por 3 a 2 com um gol aos 50 minutos do segundo tempo, na Arena das Dunas, em Natal. Duelo foi transmitido ao vivo na TV Brasil.

ABC e América-RN entraram em campo pela terceira vez em 2021. Nos dois confrontos anteriores, pelo Campeonato Potiguar, cada equipe havia conquistado uma vitória. Na partida deste domingo (20), o Dragão foi ligeiramente melhor, mas errou muito na defesa e viu o time alvinegro virar o jogo no final. O América-RN permanece com três pontos, sendo duas derrotas consecutivas.

O Alvirrubro começou o jogo partindo para cima e quase fez o primeiro logo aos 4 minutos. Mazinho recebeu pela direita e chutou colocado, mas Jerfersson defendeu. Dois minutos depois, o América abriu o placar. Falta de longa distância que Esquerdinha cobrou no ângulo esquerdo. Golaço.

O ABC respondeu também em falta. Aos nove minutos, Marcos Antônio soltou a bomba, obrigando Tanaka a fazer grande defesa. Dez minutos depois, o goleiro não foi bem. Bruno Souza cruzou pela esquerda e Tanaka saiu muito mal. Helitão aproveitou o erro e, sozinho, cabeceou para deixar tudo igual.

Apesar de ter mais posse de bola, o América não conseguia traduzir a superioridade em gols. A virada do ABC quase veio aos 43 minutos. O capitão Boaventura saiu jogando errado e a bola sobrou para Claudinho, que arriscou, mas foi parado por Tanaka. No rebote, Levi se precipitou e chutou em cima do goleiro.

O panorama da segunda etapa foi parecido com o dos primeiros 45 minutos. O América era melhor, mas errava muito na defesa. O Dragão ficou novamente na frente com gol de Boaventura, que aproveitou saída equivocada do goleiro Jerfersson. O zagueiro comemorou com um chute na bandeirinha de escanteio. No minuto seguinte, Max teve a chance de ampliar, mas acertou o travessão.

No futebol, quem não faz, leva. O ABC subiu pela direita com Netinho, que cruzou com perfeição na cabeça de Valderrama. Desta vez, Tanaka não saiu do gol e o camisa 17 aproveitou e empatou. O jogo passou a ficar mais tenso e menos emocionante, com poucas chances para as duas equipes.

Quando o empate parecia inevitável, o ABC fez o terceiro aos 50 minutos. Contra-ataque pela direita e novo cruzamento de Netinho. A zaga não conseguiu afastar e a bola sobrou para Alan Pedro. Afoito, Elton derrubou o adversário dentro da área. Pênalti que Marcos Antônio cobrou com perfeição e fechou o placar. Na comemoração, o camisa 27 imitou Boaventura e também chutou a bandeirinha de escanteio.

Na próxima rodada, o ABC recebe o Atlético-CE no domingo (27), às 15h (horário de Brasília), no Frasqueirão. Antes, na quarta-feira (23), às 21h15min, também no Frasqueirão, o Alvinegro encara o Globo no jogo de volta da final do Campeonato Potiguar. Já o América-RN visita o Caucaia no sábado (26), às 16h, no Raimundão, pela Série D.

LEIA MAIS

Brasil recebe lote de vacinas da Pfizer pelo consórcio Covax Facility

Uma remessa com 842,4 mil doses da vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech desembarcou no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), neste domingo (20), pelo consórcio Covax Facility.

Esse é o primeiro lote da farmacêutica que desembarca no país correspondente à aliança liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros parceiros. 

Segundo o Ministério da Saúde, o contrato do Brasil com a Covax prevê 42,5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 de diferentes laboratórios até o fim de 2021. Até agora, a pasta informou que já recebeu e distribuiu mais de 5 milhões de doses adquiridas via consórcio global.

LEIA MAIS

Brasil registra 17,9 milhões de casos de covid-19 e 501,8 mil mortes

O Ministério da Saúde divulgou hoje (20) novos números sobre a pandemia de covid-19 no país. De acordo com levantamento diário feito pela pasta, o Brasil tem no acumulado 17,9 milhões de casos confirmados da doença e 501,8 mil mortes registradas. Os casos de recuperados somam 16,2 milhões. 

Nas últimas 24 horas, o ministério registrou 44,1 mil novos casos e 1.025 mortes em 24 horas. 

O estado de São Paulo tem o maior número de casos acumulados desde o início da pandemia, com 3,5 milhões de casos e 122 mil óbitos. Em seguida estão Minas Gerais (1,7 milhão de casos e  44,5 mil óbitos); Paraná (1,2 milhão casos e  29,9 mil óbitos) e Rio Grande do Sul ( 1,1 milhão de casos e  30,4 mil óbitos).

De acordo com o Ministério da Saúde, 3,6 mil casos estão em investigação.

LEIA MAIS

Brasil fica sem representante na maratona aquática masculina em Tóquio

O Brasil não terá representante na maratona aquática masculina na Olimpíada de Tóquio. Neste domingo (20), Allan do Carmo e Diogo Villarinho competiram no Pré-Olímpico de Setúbal (Portugal), mas ficaram longe das 15 vagas em disputa para os Jogos.

Para se classificarem, Allan ou Diogo precisavam ficar entre os nove primeiros colocados. Outra possibilidade seria um deles ser o melhor maratonista do continente americano fora do top-9. Diogo, que herdou o lugar na seletiva após Guilherme Costa pedir dispensa (ele prioriza as provas em piscina), ficou em 21º, completando os dez quilômetros em 2h03min08s60, enquanto Allan, que buscava a terceira participação olímpica da carreira, foi o 44º, com 2h14min29s50.

O britânico Hector Pardoe foi o vencedor da seletiva, seguido pelo grego Athanasios Kynigakis. Outro britânico, Tobias Robinson, completou o pódio. Como há o limite de um classificado por país, este último, não obteve vaga em Tóquio.

O país terá somente Ana Marcela Cunha competindo em águas japonesas. Entre sexta-feira (18) e sábado (19), a maratonista esteve duas vezes no pódio do Campeonato Espanhol de Águas Abertas, disputado no lago Banyolas, na região da Catalunha. Ela foi medalhista de prata nos dez quilômetros e de ouro nos cinco quilômetros. Na última segunda-feira (14), a baiana já havia vencido a prova de dez quilômetros no Campeonato Italiano da modalidade, na cidade de Piombino.

LEIA MAIS

Judô paralímpico do Brasil vai quatro vezes ao pódio na Inglaterra

O judô paralímpico do Brasil conquistou quatro medalhas neste domingo (20), no último dia do Grand Prix de Warwick (Inglaterra). Alana Maldonado (categoria até 70 quilos) e Meg Emmerich (acima de 70 kg) ficaram com a prata, enquanto Rebeca Silva (acima de 70 kg) e Wilians Araújo (acima de cem quilos) foram bronze. O evento serviu de preparação para a Paralimpíada de Tóquio (Japão).

Campeã mundial em 2018, prata na Paralimpíada do Rio de Janeiro dois anos antes, Alana superou a uruguaia Mariana Mederos, a croata Lucija Breskovic e a georgiana Ina Kaldani no caminho até a decisão, onde foi derrotada pela mexicana Lenia Alvarez. O duelo, de grande rivalidade, envolveu as duas judocas mais bem colocadas no ranking mundial da Federação Internacional de Esportes para Cegos (IBSA, sigla em inglês).

“Foram duas competições muito importantes depois de mais de um ano sem lutar. Na primeira, em Baku [Azerbaijão, em maio], cheguei à final e conquistei o ouro. Agora é focar, ajustar e chegar em Tóquio para ser campeã paralímpica”, comentou a brasileira, número um do mundo, ao site da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV).

Destaque, também, ao combate 100% verde e amarelo entre Meg e Rebeca, pela semifinal da categoria acima de 70 kg, vencido pela primeira. Como cada país pode classificar para Tóquio somente uma judoca por peso, a luta foi uma espécie de confronto direto pelo posto de representante do Brasil. Na final, Meg, número três do mundo, foi derrotada pela italiana Carolina Costa, líder do ranking, enquanto Rebeca (quarta) garantiu o bronze ao superar a ucraniana Anastasiia Harnyk (sexta) na repescagem.

Já Wilians, sétimo do ranking mundial e segundo melhor judoca da classe B1 (cego total), caiu na semifinal da categoria acima de cem quilos para o georgiano Revaz Chikoidze, número três do mundo. Na repescagem, o brasileiro levou a melhor sobre o britânico Jack Hodgson (sexto) e garantiu o bronze.

“Só eu sei o que passei para estar aqui, a minha família, minha esposa. A perda do meu pai [Severino, no ano passado] foi um ippon [golpe de pontuação máxima no judô] que a vida me deu. Essa medalha aqui é para ele. Foi um ciclo conturbado, com duas cirurgias. Só pude participar de quatro competições das sete que valiam pontos para Tóquio. E saio daqui classificado. Para mim, é uma vitória muito grande”, disse Wilians, também ao site da CBDV.

Outros três brasileiros competiram neste domingo, sem medalhas. Na categoria até cem quilos, Antônio Tenório perdeu na segunda luta da repescagem para o uzbeque Sharif Khalilov. O tetracampeão paralímpico recupera a melhor forma após um longo período de recuperação da infecção pelo novo coronavírus (covid-19). Arthur Silva (até 90 kg) e Harlley Arruda (até 81 kg) também não avançaram.

No sábado (19), Lúcia Teixeira conquistou a única medalha de ouro brasileira em Warwick, na categoria até 57 quilos. Em maio, no Grand Prix de Baku, a delegação brasileira também conquistou cinco pódios. A equipe retorna ao país e tem mais uma fase de treinamento em São Paulo, prevista para 11 a 20 de julho, antes da ida para o Japão.

LEIA MAIS

Pepê Gonçalves é ouro no slalom extremo em Copa do Mundo de canoagem

O canoísta Pedro Gonçalves, o Pepê, conquistou neste domingo (20) a medalha de ouro do slalom extremo na etapa de Markkleeberg (Alemanha) da Copa do Mundo de Canoagem Slalom. A prova, considerada a mais radical da modalidade, onde dois a quatro atletas largam de uma rampa suspensa, não faz parte do programa da Olimpíada de Tóquio (Japão), mas está confirmada nos Jogos de Paris (França), em 2024.

A princípio, Pepê não competiria nas finais do slalom extremo, poupando-se para Tóquio, onde disputará o caiaque individual (K1), mas o bom desempenho no classificatório de sábado (19) o fez mudar de ideia. O paulista de 28 anos deixou para trás o tcheco Vit Prindis e o alemão Stefan Hengts, campeão mundial da prova, que completaram o pódio em Markkleeberg.

“É a primeira prova que faço do slalom extremo desde que ela entrou no programa olímpico e pude debutar com ouro. O ciclo de Tóquio está no final, vamos buscar a medalha no K1, mas estamos começando o de Paris como número um do ranking mundial, bicampeão da Copa do Mundo. É muito orgulho representar o Brasil e colocar essa medalha no peito”, disse Pepê, em depoimento à Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa).

No sábado, o brasileiro parou nas semifinais do K1, enquanto Ana Sátlia se classificou à final e terminou em nono lugar. Neste domingo, Ana competiu nas semifinais da canoa individual (C1), mas terminou o classificatório na 17ª posição – somente as dez primeiras avançaram. Também no C1, Omira Estácia ficou em 25º.

Pepê e Ana (que competirá no K1 e no C1 em Tóquio) retornam ao Brasil nesta semana para um período de descanso antes do embarque para a Olimpíada.

LEIA MAIS

Conrado e Sorvetão viram alvo de críticas por vídeo de Dia dos Namorados: ‘Casal hétero, cristão e tradicional’

No Dia dos Namorados, Andréa Sorvetão e Conrado publicaram um vídeo nas redes sociais pedindo o patrocínio de marcas destacando o fato de que são um “casal hétero, cristão e tradicional“. Em pouco tempo, eles viraram alvo de críticas pela postagem. Para a maioria dos seguidores, a gravação desrespeita outros casais ao reafirmar a heterossexualidade de Conrado e Sorvetão. Por exemplo, um dos internautas comentou: “Que preconceituosos. Será que vocês se acham melhores do que os outros por serem héteros?”. Após a repercussão negativa, o cantor gravou outro vídeo para…

LEIA MAIS

Saúde distribui mais 7,6 milhões de doses da vacina da AstraZeneca

O Ministério da Saúde começou a distribuir hoje (20) 7,6 milhões de doses da vacina da AstraZeneca para estados e o Distrito Federal. Produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), as doses serão destinadas para completar a imunização de grupos prioritários com a segunda dose do imunizante contra a covid-19. O intervalo entre as duas doses é de 3 meses.

Segundo o ministério, a doses vão imunizar idosos entre 60 e 64 anos e profissionais que atuam na linha de frente de combate à pandemia, como trabalhadores da área da saúde eagentes de forças de segurança e das Forças Armadas. O envio deve ser concluído amanhã (21). 

Com a remessa do novo carregamento, o ministério chega à marca de 120 milhões de doses enviadas aos estados. Mais de 86 milhões já foram aplicadas.

LEIA MAIS

Queiroga: Programa de Imunização é esperança de por fim à pandemia

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga disse hoje (20) que o Programa Nacional de Imunização (PNI) é a esperança de por fim à pandemia de covid-19 no país. Em participação da vacinação em massa da ilha de Paquetá, bairro da capital Rio de Janeiro, o ministro disse que o PNI tem capacidade de vacinar até 2,4 milhões de brasileiros por dia

O ministro disse que o Ministério da Saúde adquiriu mais de 630 milhões de doses de vacinas e que, desse total, mais de 110 milhões de doses foram distribuídas. Segundo Queiroga, o Brasil se encontra entre os cinco países que mais distribuíram doses de vacinas para a sua população. 

Queiroga e outras autoridades da área de saúde foram a Paquetá para o dia de imunização em massa dos moradores da ilha. A ação é uma parceria entre a Secretaria e Saúde do Município do Rio de Janeiro e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para estudo de Fase 4 da vacina AstraZeneca, quando o que está em análise é a efetividade das vacinas “no mundo real”, conceito que é diferente de eficácia, que é o percentual de proteção medido pelos testes clínicos, em um grupo controlado e em comparação a um placebo antes da aprovação da vacina pelas autoridades sanitárias. Todos os moradores da ilha devem ser vacinados, pelo menos com a primeira dose, ainda hoje.

Na quinta-feira (17), o trabalho começou a ser realizado com a coleta de amostras de sangue para testes sorológicos em moradores de Paquetá que se apresentaram como voluntários. Entre os objetivos, o estudo quer monitorar a “soroconversão”, isto é, quem era soronegativo (não tinha anticorpos) e passou a ser soropositivo (com anticorpos). A pesquisa será capaz de diferenciar quem passou a ter anticorpos por causa da vacina e quem os adquiriu devido a uma infecção, e isso ajudará a verificar, entre outros pontos, o nível de proteção coletiva que será alcançado. Segundo o secretário de Saúde do Município do Rio de Janeiro Daniel Soranz, 70% da população da lha participou do teste.

Fiocruz

A presidente da Fiocruz Nísia Trindade agradeceu a disponibilidade dos moradores da ilha em participar da pesquisa. Ela disse que “vacinar é sempre uma emoção, quando pensamos na importância das pesquisas que avaliam a vacina e o impacto na transmissão, como está sendo feito aqui em Paquetá”.

Pesquisa

No evento, Queiroga lamentou profundamente todas as 500 mil vidas perdidas para a covid-19. “Não só os que morreram, mas os que ainda padecem dessa doença. É uma emergência de saúde pública internacional. Não é um problema exclusivo do Brasil e para enfrentá-lo a principal ferramenta é o Sistema Único de Saúde”.

LEIA MAIS

População acima de 18 anos de Paquetá recebe hoje vacina AstraZeneca

O prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes embarcou às 7h, na barca que deixou a estação da Praça XV para a Ilha de Paquetá, onde acompanhará a vacinação contra a covid-19 da população da ilha a partir de 18 anos. 

A ação, que começa às 9h deste domingo (20), faz parte do projeto “PaqueTá vacinada”, realizado pela Secretaria Municipal de Saúde com apoio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e tem o objetivo de avaliar os efeitos da imunização em larga escala. 

Há previsão de que o  ministro da Saúde Marcelo Queiroga, o secretário municipal de Saúde Daniel Soranz e a presidente da Fiocruz Nisia Trindade também acompanhem a vacinação.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, 1,6 mil moradores da ilha, que pertence ao município do Rio de Janeiro, devem ser imunizados hoje com a vacina Oxford/Astrazeneca, produzida pela Fiocruz. Até o dia 17 de junho, 1.946 pessoas já haviam recebido a primeira dose de alguma das vacinas contra a covid-19 em Paquetá, e 1.132 moradores a  segunda dose  até a mesma data.

Paquetá foi escolhida para esse estudo  por ter  uma série de características, como o fato de ser uma ilha, com uma única entrada e saída pela Baía de Guanabara . O bairro tem apenas uma unidade de saúde, que  possui um cadastro de saúde da família bem consolidado com capacidade de monitorar a evolução dos casos.

Covid-19

Eduardo Paes em sua rede social lamentou as 500 mil mortes pela covid-19 no país. 

O governador Cláudio Castro também se manifestou sobre as mortes.

LEIA MAIS