Pia avalia como “algo muito sério” acusação de assédio contra Caboclo

A técnica da seleção feminina de futebol, Pia Sundhage, comentou pela primeira vez a denúncia de assédio sexual envolvendo o presidente afastado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo. Nesta quinta-feira (10), em entrevista coletiva transmitida pela CBF TV, a treinadora admitiu que o caso mexeu com o grupo, que está reunido para disputa de dois amistosos em Cartagena (Espanha), preparatórios para a Olimpíada de Tóquio (Japão). O primeiro deles nesta sexta (11), às 16h (horário de Brasília), contra a Rússia.

“É algo muito serio. Eu gostaria de poder explicar isso em sueco, pois inglês não é a minha língua materna e as palavras são muito importantes. É uma situação séria na qual fomos colocadas. Algo que, claro, falamos sobre. Você olha e tem sua opinião pessoal. Conversamos com as atletas. Informamos o que estava acontecendo e todas tiveram oportunidade de opinar e falar a respeito. Cada uma de nós, acredito, precisa ter responsabilidade sobre as respostas”, declarou Pia.

Seleção Feminina: coletiva de imprensa com a técnica Pia Sundhage

“No fim do dia, temos que dar um passo adiante. Estamos nos aproximando da Olimpíada. Sim, ficamos um pouco arrebatadas por toda essa situação e acho que é importante voltarmos o foco para o campo”, completou a técnica.

A coletiva de Pia foi o único contato com a imprensa organizado pela entidade desde segunda-feira (6), quando a seleção se reuniu na Espanha. Um dia antes, no domingo (5), o Comitê de Ética da CBF afastou Caboclo por 30 dias e que o processo envolvendo o dirigente, que se diz inocente, “tramitará perante a referida comissão, com a finalidade de apurar a denúncia apresentada”.

Últimos testes

Após o embate contra a Rússia, nesta sexta (11), a seleção encara o Canadá, na próxima segunda-feira (14), também às 16h, Com 26 atletas à disposição após a chegada da zagueira Antonia, do Madrid CFF (Espanha), convocada na última quarta-feira (9), Pia pretende começar os jogos com a mesma base, diferente do que fez em partidas recentes, onde promoveu várias mudanças na formação entre um duelo e outro.

Na atividade desta quinta (10) à tarde, a treinadora definiu o time titular com Bárbara; Letícia Santos (de volta à seleção após 15 meses, a maior parte deles se recuperando de uma lesão no joelho direito), Bruna Benites, Rafaelle e Tamires; Formiga, Andressinha, Debinha e Marta; Bia Zaneratto e Ludmilla.

“Espero um time coeso. Se der tudo certo, teremos uma equipe parecida contra Rússia e Canadá. O mais interessante será [observar] quem virá do banco, porque esta será a jogadora que mudará o estilo da partida e isso será muito importante na Olimpíada. Teremos só dois dias de intervalo entre os jogos [em Tóquio]. Algumas delas ficarão cansadas, por isso precisaremos mudar. E, talvez, fazer mudanças por razões táticas”, explicou a treinadora, que admitiu ter “uma ou duas” dúvidas na equipe que considera ideal.


De vota à seleção após 15 meses, a lateral Letícia Santos (ao centro a foto) está escalada para entrar em campo no amistoso desta sexta (11) –   Carolina Brito/CB/Direitos Reservados

“Ainda estamos um pouco incertos quanto a defesa. Eu disse que iria com seis defensoras e ainda é o meu objetivo. Mas ainda não temos certeza de que vai. A Erika [zagueira do Corinthians] estava contundida e se recuperou, mas ainda vamos testá-la. A razão de a Antônia estar aqui é para que todas sintam que têm de ir além na competitividade, mas também olhando o futuro”, explicou Pia.

A seleção feminina está no Grupo F da Olimpíada e estreia dia 21 de julho contra a China, na cidade de Rifu. No dia 24, no mesmo local, encara os Países Baixos. Por fim, no dia 27, em Saitama, as brasileiras encerram a participação na primeira fase diante da Zâmbia. A expectativa é que a lista com as 18 convocadas para Tóquio seja divulgada na próxima semana.

LEIA TAMBÉM

Deixe um Comentário